Espero que seja, de alguma maneira, construtivo!

terça-feira, 23 de setembro de 2008

Será?

Bom, venho aqui agora com um texto que há algum tempo atrás minha professora de história pediu para engendrarmos...
Em busca de uma sociedade mais justa

Acredita-se que uma sociedade materialista não serve às necessidades humanas. Dá-se muita ênfase à valores externos, quando a mesma deveria ser atribuída aos internos, pois são esses que precedem os primeiros. Por exemplo, quando estamos prestes a comprar um carro, primeiramente observamos se ele é bonito, os itens que ele possuí e o preço, sem observarmos se ele serve às nossas necessidades e posteriormente preocupar-se com o preço.
Vivemos em uma sociedade notoriamente consumista, onde a fome é um dos assuntos e fatos mais cruéis. Em ‘virtude’ do consumismo, as pessoas não estão satisfeitas com o muito, há inexistência de auto-limite. Somos vítimas da inexistência de auto-limite antes citada e por isso não se consome apenas o necessário, mas também o supérfluo, sendo este fonte de lucros e auto-suficiência para outros (os fabricantes e vendedores), que realmente necessitam desta venda.
A produção de supérfluos aumenta cada vez mais, pois são bem alimentadas por nós, consumidores, e posteriormente justificadas.
Nossos desejos são ilimitados e acabamos sendo negligentes com o nosso planeta. Precisamos ser cônscios de que a Terra é finita de recursos, e que ela pode ser assolada a qualquer momento com essa infinda exploração.
Somos imbuídos muitas vezes à pensamentos mundanos. Muitas vezes pessoas míopes e com ausência de personalidade consomem demais para simplesmente aparecer.
Se consumíssemos sem ganância e futilidades, o mundo seria mais justo e haveria menos desigualdade e escabrosidade. Para isto não é preciso ‘’repudiar dinheiro, basta ter bom-senso.’’

"É necessário, se é necessário, logo é possível."

G.B.A

6 comentários:

Carlos Ferreira disse...

Produção textual rica e com ideias inteligentes!

Muito bom, querida!

Beijos!
;***

Vanderlei disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Vanderlei disse...

Ta...entendi seu ponto.
Mas complexidade da traicao da mulher eh maior.. bem..vc entendeu..
O PF é membro honorário , posta todas as quintas-feiras.
Ta , mentira, ele posta soh qdo tem vontade

Vanderlei disse...

Ah.. me passa seu orkut

Thyciano Faria disse...

A boa e velha humanidade, guria!
A superficie é o único meio de chegar ao núcleo, Gabi!
O superfluo só o é porque não tem base para ser qualquer outra coisa.

...Que bom que tu és uma guriezinha aplicada e estuda bastante! Parabéns!
Abração!

Epifaníaco disse...

po..
vou contratar vc pra dar acessoria nos meu mestrado O.O
q versatilidade gramatical e diversidade vocábula!
esta de parabens!

bom..
qto ao q interessa, as idéias postas, digo:
concordo com a intensão; concordo com a análise do consumismo; mas...

creio, em absoluto, q não é viavel a solução. não por uma impossibilidade: por uma questão de fundamento do mecanismo q gera o problema.

o capitalismo depende dessa situação, ele naum existe sem ela.
"consumo consciente" é balela de empresário q se acha empreendedor e acha q descobriu um novo mercado ou jogada de marketing, fazendo sua fita na praça bancando o rico bonzinho.

isso não existe. capitalismo PRECISA de exploração e consumo injustificado. Isso pq ele é baseado em um lucro injustificado.
Não se justifica nada no capitalismo: os preços, as desigualdades, as futilidades, as dificuldades, a hierarquia, a superoferta, a superprocura, o controle de cambio para impedir perda de lucro...e por ai vai.

o problema é a lógica e não o resultado da conta. enquanto fizermos a mesma conta, o resultado vai continuar dando merda. temos é q mudar a conta em si, mudar a lógica da equação.

e bom...
essa crise ai, no maior pais capEtalista de todos, é a prova q o capEtalismo é tão destrutivo q destróia até a si mesmo e a seus filhos mais pródigos.

e isso naum é novidade, o mundo ta cansado de ver dando merda.
quer dizer...pelo menos os pobres tão.

é oq interpreto e não minha opinião simples.